#REFLEXÃO 1 DE JULHO




Olá mulheres realezas, é um prazer escrever um pouco mais pra vocês. Se você lendo este post, seja lá de onde for, é com muito carinho que te escrevo.
Hoje quero contar um pouquinho pra vocês sobre a minha história como evangélica, sobre o dia mais importante da minha vida.
Eu nasci num lar de mãe evangélica, e pai católico não praticante. Nasci e cresci muito próxima a família da minha mãe, que é quase toda evangélica. 
Minhas primeiras lembranças na igreja, eram no ponto de pregação da minha vó, que era missionária local da Assembléia de Deus. Ela ensaiava meus primos e eu para cantar na igreja dela. A gente mais brincava do que cantava, mas era muito legal. Embora minha mãe fosse evangélica, não estava congregando nessa época. Então apesar da influência da minha vó, durante toda a minha infância eu quase não frequentei a igreja.
Bem o tempo passou, minhas bases cristãs se solidificaram, pelas influências da minha família, mas não por imposição. Por isso graças à Deus acredito que mesmo que não maneira pessoal ainda, mas me decidi para Cristo de verdade aos 13 anos de idade. 
Antes de aceitar a Cristo como meu Salvador, havia sido tocada na igreja duas vezes de forma muito impactante! Mas pela timidez que era tão forte na minha vida, eu deixei a oportunidade para depois. Até que um dia eu estava deitada no sofá da minha casa, e comecei a pensar que se Jesus voltasse naquele momento, eu não seria salva. Essa verdade foi clara como a água para mim. Veio um temor ao meu coração, e é muito importante ressaltar que, se eu não tivesse ouvido várias mensagens ao longo da minha vida sobre isso, eu não teria pensado tão reflexivamente sobre. Por isso é tão importante,ouvir e pregar! Uma hora a semente vai gerar frutos. E lá fui eu aceitar a Jesus, me batizar nas águas na Igreja Cristã de Nova Vida.
Anos se passaram, eu estava super "engajada" na igreja, mas algo ainda estava errado. Sofria desde a infância de uma timidez fora do normal e complexo de inferioridade. E apesar de ter Jesus na minha vida, vivia dessa forma como se fosse algo normal.
Até que eu decidi sair da minha igreja na época a Nova Vida, para Metodista Wesleyana, porque achava que a falta de identificação com a igreja seria o problema, mas se passaram dois anos, e o problema estava a tona de novo. Estava eu enfadada dentro da igreja, querendo mais de Deus, mas sem forças pra buscar, e sem ver saída. Fora que eu havia acabado de terminar o segundo grau, estava passando por muitos conflitos e frustrações pessoais, e estava muito mal.
Na época tinha pouquíssimos amigos, então saia pouco e estava conversando muito com minha prima Sabrina. Ela estava passando por uma fase bem legal,  estava buscando um relacionamento real com Deus. O que sempre almejei sem saber, estava se iniciando ali bem pertinho de mim.
Ficávamos conversando horas, e horas a fio, sobre Deus,a igreja e a bíblia, e eu estava cada vez mais convencida de que queria essa busca também para minha vida.

Até que após alguns acontecimentos na vida da Sabrina também, nós decidimos que nunca mais viveríamos sem Deus, e no dia 01 de jullho de 2007, aos meus 19 anos de idade, eu decidi andar de mãos dadas com Deus para sempre!

O que posso resumir nisso tudo, que TUDO mudou! Talvez não do lado de fora, mas aqui dentro eu sei que minha vida nunca mais foi a mesma.


Deus abençoe vcs!